domingo, 17 de junho de 2012

Em busca da felicidade.

Talvez, pior do que a mesmice, seja a sensação de  paralisia. Pois as coisas nem sempre andam como a gente quer......  Só não podemos abrir  mão de poder acordar,  mesmo após um dia onde realmente correu tudo igual,  e  imaginar que o  hoje possa ser  diferente. E será! Porque mesmo quando tudo parece se repetir, a cada dia a nossa vivência, a nossa leitura, será diferente. Assim como não nos banhamos duas vezes, nas mesmas aguas de um rio, também não vivemos  dois dias da mesma forma, e é justamente esta possibilidade que nos faz buscar  esta sensação do atingido, do orgasmo vivencial. Nunca podemos abrir mão, do direito de ser feliz!

6 comentários:

Vivian disse...

...eis aí um despertar!!!

sermos felizes sim.

sermos felizes apesar 'de',
e não 'porque'.

bj imenso, sonhador!

RITA PACHECO disse...

Uma graça seu blog!
Estou começando meu blog e fazendo contatos com outros blogs.
Gostei do seu e estou te seguindo.
Querendo conhecer o meu, dá uma passadinha por lá:
www.olharesedetalhes.blogspot.com
bjs
RITA

CE disse...

Eu tinha lido esse texto no seu facebook, e foi como um despertar para as pequenas coisas.
Nunca tive ideal de felicidade, depois que li Rousseau falando sobre ela (felicidade sao só momentos), mas gostei dessa maneira clara e suave sua de vê-la.

ótima semana, menino!!

Sonhadora disse...

Meu querido amigo

Verdadeiro este texto...a vida nos vai ensinando a ultrapassar os caminhos que temos que percorrer e sempre aprendendo algo em cada dia que nasce...renascendo sempre, porque o futuro é hoje.

Um beijinho com carinho
Sonhadora

Pipa. A Pipa dos Ventos. disse...

Edson querido,

Saí do face porque não me adaptei. E absolutamente, não foi nada pessoal contra ninguém, menos ainda com você que sempre me falou tão docemente.

Estive lendo seu texto ele me remeteu a esta passagem:

Vejo que as mensagens nas garrafas que joguei ao mar não encontraram o menino. O destino faz isso. Às vezes nos manda para ilhas muito longínquas, separados, para que nos esqueçamos quem fomos e o que poderíamos ter sido. Talvez o refluxo das ondas as tenha levado para o fundo onde algum tubarão martelo esteja tentando quebrá-las para ver o que há dentro. Ou talvez elas tenham se arrebentado nas pontas das pedras e seus cacos rebrilhem em alguma passarela aberta entre o céu e o mar. Estou muito cansada. Corri até onde o oceano começa e a terra acaba. E quando parei, o tempo transformou tudo em areia e a água apagou as pegadas dos que me eram caros. Exceto por mim, ninguém reparou nisso que chamam de destino. E quanto às garrafas, bem, eram apenas garrafas. E as memórias mergulharam com elas para devolver o que eu nunca soube dar. Talvez o que eu pensava ter sentido, nem esteja mais lá. Águas passadas. E a felicidade nada tem a ver com isso. Se olhar em volta, há poucas razões para sentí-la, mas para buscá-la o número é infinito.


Te abraço com carinho.

Vivian disse...

...este nick "brissonmattos"
é de uma mulher.
seu nome é Malu e ela me
persegue desde sempre.

é uma pobre alma...

bjs, meu querido.

Allmanua tem café fresquinho
à sua espera.

mais bjs...