sexta-feira, 29 de julho de 2011

O que restou do nosso amor?

Na verdade a pergunta correta seria, o que restou do meu amor! Uma pedra guardada no meu peito e uma vontade imensa de encontrar de novo, este sentimento vivido  neste caminho...... Apesar de você ter instilado este amor, ele foi todo tecido por mim  à espera da ternura que nunca me vinha e eu andava pobre, tão pobre de carinho que  até pensei que fosses minha...

9 comentários:

olhar disse...

ame-se...acima de tudo e todos...

Anônimo disse...

Sabia???- são pequenas coisas, muitas vezes insignificantes, que mudam seu dia completamente-

[contem 1 beijo]

Vivian disse...

...a Bia disse tudo, e eu
apenas completo:

não mendigue amor.

ou ele vem naturalmente,
ou não é pra você este amor.

desamor tbm é uma forma
de amor, sabia?

placco araujo disse...

Eu não poderia ter 3 amigas tão queridas tão perto, e supostamente me defendendo, me cuidando..

Não existe nenhum desamor aqui..

Se vocês lerem o texto do blog (o principal), verão que não entrei de gaiato no navio... mas que é bom o fato de simplesmente sentir ...

Bom é se sentir vivo.. e esta menina me concedeu isto!!!

Sexo c/ Amor? disse...

O Amor está em nós! A outra pessoa foi um personagem, na história deste amor!
beijo

C. disse...

É sempre assim quando "e eu andava pobre, tão pobre de carinho". A carência tem uma tendência de iludir. E o que você tem escrito no header do seu blog, é no mínimo bom, saber que ainda temos a capacidade de amar...

Camila Lourenço disse...

Oi Placco. Texto lindo!!!

Quero te agradecer pelos comentários sempre tão ricos em conteúdo e carinho que vc deixa em meu blog. Baseado no que vc comentou em meu último texto e em muitos comentários que hora ou outra eu recebo, resolvi fazer um texto pra esclarecer os sons que são ouvidos por lá. Passe lá depois.


Beijo!

Ceci M. disse...

O amor é uma deliciosa invenção.

Anônimo disse...

Bom, talvez vc deva ignorar meu comentário, pq ele parte de alguém que não sabe nada da sua pedrinha, mas tem pedrinhas que por mais que a gente insista, as vezes simplesmente não nos servem mais. Aí então, me imagino em frente a um grande lago, com a bendita pedrinha na mão e, de repente, arremessando-a daquele jeito em que a pedrinha dá 3 pulinhos na água, sabe? rsss
Ignore, ignore.
Essa Marie não entende nada mesmo de pedras.
Beijos,
da Marie